Publicidade

O tradicional 'festival do nu' no Japão que aceitou mulheres pela primeira vez em 1250 anos

Fonte: g1.globo.com
O tradicional 'festival do nu' no Japão que aceitou mulheres pela primeira vez em 1250 anos


Nos 1.250 anos em que o Hadaka Matsuri, ou Festival do Nu, é realizado no Santuário Konomiya, no centro do Japão, pouca coisa mudou. Mas neste ano o festival introduziu uma grande mudança. As mulheres participaram do festival pela primeira vez em seus 1.250 anos de história.
Reuters via BBC
Um mar de cânticos, com homens quase nus se acotovelando, um verdadeiro empurra-empurra em direção ao santuário.
"Washoi! Washoi! ('Vamos! Vamos!')", eles gritam.
Esta cena praticamente não mudou nos 1.250 anos em que o Hadaka Matsuri, ou Festival do Nu, é realizado no Santuário Konomiya, no centro do Japão.
✅ Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp
Mas neste ano o festival introduziu uma grande mudança.
Longe do amontoado de homens, um grupo está prestes a se tornar o de primeiras mulheres a participar do evento.
As mulheres aqui reunidas sabem que estão fazendo história. Ocupar espaços tradicionalmente dominados por homens é difícil em qualquer lugar, mas no Japão — que no ano passado ficou em 125º lugar entre 146 países no índice de disparidade de gênero do Fórum Econômico Mundial — é particularmente complicado.
Não que elas não estivessem lá antes.
"Nos bastidores, as mulheres sempre trabalharam arduamente para apoiar os homens no festival", explica Atsuko Tamakoshi, cuja família trabalha há gerações no evento no Konomiya.
Alguns membros da comunidade sugeriram que continuasse sendo um evento só para homens.
Reuters via BBC
Mas a ideia de participar de fato do festival — no qual os homens tentam afastar os maus espíritos, antes de orar pela felicidade no santuário — parece nunca ter surgido antes.
De acordo com Naruhito Tsunoda, nunca houve uma proibição real. É que ninguém havia perguntado antes.
E quando perguntaram, a resposta foi simples.
"Acredito que o mais importante é que haja um festival divertido para todos. Acho que Deus ficaria muito feliz com isso também", disse ele à agência de notícias Reuters.
Mas nem todo mundo na comunidade foi tão acolhedor.
"Havia muitas vozes preocupadas (com a nossa participação), dizendo: 'O que as mulheres estão fazendo em um festival de homens?', 'Este é um festival de homens, é sério'", conta Tamakoshi, de 56 anos.
"Mas estávamos todas unidas naquilo que queríamos fazer. Acreditávamos que Deus cuidaria de nós se fôssemos sinceras."
As mulheres que aguardam sua vez de participar estão sendo sinceras. O que elas não estão é nuas.
Em vez disso, muitas usam um "happi" – espécie de roupão longo tradicional – roxo e bermuda branca, em vez das tangas masculinas, enquanto carregam suas próprias oferendas de bambu.
LEIA TAMBÉM:
Hungria aprova entrada da Suécia na Otan; país será 32º membro da organização
Em reunião da ONU, ministro Silvio Almeida condena ocupação de Israel e diz que governo israelense pratica punição coletiva contra palestinos
O chefe da máfia japonesa acusado pelos EUA de traficar material para armas nucleares
Elas não vão participar do empurra-empurra dos homens até o santuário, tampouco se amontoar umas sobre as outras para tocar Shin Otoko, a "divindade masculina" — um homem escolhido pelo santuário. Tocá-lo, como reza a tradição, tem como objetivo afastar os maus espíritos.
Isso não tira, no entanto, o significado deste momento.
"Sinto que os tempos finalmente mudaram", afirma Yumiko Fujie à BBC.
"Mas também sinto um senso de responsabilidade."
Estas mulheres não estão apenas quebrando barreiras de gênero com sua participação. Elas também estão mantendo viva a tradição.
Na semana passada, outro festival de nu – realizado no Templo Kokuseki, no norte do Japão – informou que este seria o último ano em que o evento seria realizado. Simplesmente não havia jovens suficientes para manter o festival.
O Japão tem uma das populações que envelhecem mais rápido do planeta. No ano passado, pela primeira vez, mais de uma em cada 10 pessoas tinha 80 anos ou mais. Enquanto isso, a sua taxa de natalidade é de apenas 1,3 por mulher — apenas 800 mil bebês nasceram no ano passado.
Eis que chega o momento de as mulheres se dirigirem ao santuário.
Elas formam duas filas paralelas e carregam longas varas de bambu envoltas em tecidos vermelhos e brancos entrelaçados.
Atsuko Tamakoshi está liderando o cortejo — ela apita para que comecem a entoar o canto rítmico que ouvem os homens repetindo há décadas.
'Washoi Washoi', gritam as mulheres.
Elas se concentram nos movimentos e no ritmo — estavam praticando há semanas. E sabem que precisam fazer direito.
Cientes de que as atenções da mídia e dos espectadores estão voltadas a elas, também sorriem com um misto de nervosismo e emoção.
Ouvem-se gritos de apoio entre a multidão que assiste, alguns berram "gambatte!" (algo como "sigam em frente"), enquanto elas abrem caminho em meio a temperaturas congelantes.
Elas entram no pátio do santuário xintoísta Konomiya e, assim como os homens, são borrifadas com água fria. Parece energizá-las ainda mais.
Depois que a oferenda delas é aceita, as mulheres encerram a cerimônia com a tradicional saudação de duas reverências, duas palmas e uma reverência final.
E então, a grandiosidade do momento vem à tona. As mulheres começam a aplaudir, pular e se abraçar chorando.
"Arigatogozaimasu! Arigato!" (Muito obrigada! Obrigada!), elas dizem umas às outras, e a multidão agora as aplaude.
"Fiquei muito chorosa", diz Michiko Ikai. "Não tinha certeza se poderia participar, mas agora tenho uma sensação de realização."
Ao saírem do santuário, as mulheres são paradas pelo público que quer tirar fotos com elas — e pelos veículos de comunicação que querem entrevistá-las. Elas atendem alegremente.
"Consegui. Estou muito feliz", afirma Mineko Akahori à BBC.
"Estou muito grata por, como mulher, poder participar pela primeira vez."
Sua amiga e companheira de equipe Minako Ando acrescenta que "ser a primeira a fazer algo assim é simplesmente maravilhoso".
"Os tempos estão mudando", avalia Hiromo Maeda. Sua família administra uma pousada local que hospeda frequentadores do festival há 30 anos.
"Acho que nossas orações e desejos são os mesmos. Não importa se é homem ou mulher. Nossa paixão é a mesma."
Para Atsuko Tamakoshi, que desempenhou um papel tão importante ao longo do dia, é momento de refletir sobre o que todas elas alcançaram juntas. Ela está emocionada e aliviada.
"Meu marido sempre participou deste festival", diz ela à BBC.
"E eu sempre fui espectadora. Agora estou repleta de gratidão e felicidade."




COMENTÁRIOS

Buscar

Alterar Local

Anuncie Aqui

Escolha abaixo onde deseja anunciar.

Efetue o Login

Recuperar Senha